A importância de usar a estratégia Marketing de Conteúdo no seu blog

Toda a empresa que está presente na online precisa de aplicar a estratégia Marketing de Conteúdo, e assim conseguir com que a marca seja reconhecida no ambiente digital. 

Mas antes, é preciso entender que o marketing de conteúdo.

O que é o marketing de conteúdo?

O marketing de conteúdo é um processo de publicação consistente, que é desenvolvido a partir de materiais relevantes para criar relevância junto ao público.

Com isso, a audiência passa a ser cativada e almeja consumir junto ao negócio. Ou seja, a marca passa a alcançar, engajar e converter novos clientes com mais qualidade e facilidade.

Isso envolve as marcas de maneira significativa, que se apresentam até mesmo como publicadoras e editoras, pois há uma continuidade na criação de conteúdo, tendo como destino um site que vai atrair visitantes e leads, como são conhecidos os potenciais clientes. 

A ideia principal dentro de um planeamento e, por consequência, seguindo a estratégia de marketing de conteúdo mais adequada, é transmitir as mensagens sobre valor de transferência de veículo, ou qualquer outra linha editorial selecionada e produtos vendidos, com clareza. 

De qualquer maneira, a empresa precisa de entender que, na era digital em que estamos inseridos, existem muitas formas para se criar conteúdo interessante e relevante para o público alvo. 

Planeamento e estratégia de marketing de conteúdo

Planeamento e estratégia de marketing de conteúdo

A estratégia do marketing de conteúdo obriga a um planeamento de longo prazo. 

No entanto, apesar de um início que se mostra lento para alguns (por ter ações mais consistentes e de resultado no médio prazo), cada um dos estágios a seguir mostra-se vital para garantir uma base sólida de materiais e contactos para alcançar o sucesso pretendido. 

1. Criação de perfis de persona

Que tipo de conteúdo uma empresa que produz aventais descartáveis precisa? 

A resposta a essa questão pode ser encontrada a partir da construção de buyers personas, ou seja, a definição mais apropriada do público com o qual a marca se relaciona e destina os seus produtos e serviços.

Conforme os segmentos de atuação e objetivos, é possível que exista mais de um perfil de cliente ideal, e isso também precisa ser identificado e implementado nas estratégias, como é o caso de negócios B2B e B2C.

Para criar esses perfis e uma ação de conteúdo mais efetiva, é preciso ter em consideração aspetos como:

  • Desafios enfrentados;
  • Necessidades imediatas;
  • Perguntas e questões comuns;
  • Tipo de conteúdo mais adequado e atrativo.

Dessa forma, é possível perceber, dentro das jornadas de compra, quais as informações que os conteúdos devem considerar relevantes, e entregar isso aos consumidores. 

2. Entenda a jornada do comprador

Uma jornada de compra mapeia o processo de tomada de decisão de um comprador. 

Isso ocorre durante todo o processo de aquisição de um produto ou serviço, e ajuda as empresas a determinarem qual conteúdo se mostra mais necessário.

Diferentes tipos de conteúdo atraem compradores pontuais, e que estão em estágios pessoais dentro da própria jornada de compra. 

Ao mapear os estágios de compra, a empresa que presta serviço de despachante online passa a entender melhor o processo pelo qual os compradores atravessam ao considerar o produto ou serviço, por exemplo.

Como resultado, é possível desenvolver uma estratégia de marketing de conteúdo que fale diretamente com os compradores, não importa em que estágio eles se encontram, ou mesmo a área em que atua. 

O importante é apenas adequar essa ação conforme as necessidades específicas do setor e a duração necessária percebida no funil.

3. Faça brainstorm e crie um plano adequado

Planear e criar novos conteúdos não é apenas o mapeamento dos processos funis de compra, ou a medição das métricas devidamente aplicadas. 

O brainstorming e o planeamento de ativos são fundamentais para os resultados e podem ser as partes mais desafiadoras dentro do processo de criação de conteúdo. 

Para se inspirar quando o momento chegar, é preciso um ambiente recetivo e a disposição de toda a equipa de marketing, para propor que sejam experimentados elementos novos e que estejam dentro das características da própria empresa. 

A criação de um calendário editorial também auxilia nessa organização e delimitação de materiais e prazos. De modo geral, ele tem como objetivo acompanhar a programação de inserção de conteúdo. 

Além disso, pode-se coordenar e compartilhar os materiais produzidos sobre a fritadeira a gás e demais produtos, alcançando um público significativo de forma mais efetiva

Essa é uma ferramenta estratégica que ajuda toda equipe a executar programas integrados qualificados e a longo prazo, desenvolvendo conteúdos melhores para destacar a marca junto ao público-alvo. 

Isso significa que manter um calendário editorial também permite lançar um conteúdo no melhor momento possível, e dessa forma impactar o público consumidor de forma mais efetiva, bem como alinhar a equipa de marketing quanto a lançamentos e eventos sazonais para ações mais longas, por exemplo.

4. Produza e otimize o conteúdo

Se uma empresa está no início da produção de conteúdo original e de alta qualidade, significa que foi investido tempo e capital financeiro para chegar a esse ponto do trabalho. 

Sendo assim, o que a empresa mais deseja é tirar o máximo proveito de cada ativo. Da mesma forma, é preciso ter certeza que todo conteúdo permaneça atualizado.

Por isso, conforme um calendário de reciclagem que pode ser definido, é possível aprimorar os conteúdos antigos, mantendo-os relevantes para utilizadores e algoritmos. Consequentemente, consegue-se manter competitivo sem demandar uma nova produção textual.

Contudo, caso seja de interesse, é possível realizar a reciclagem com um material complementar, que aborde outra visão do conteúdo, criando uma ligação entre eles e agregando mais valor à experiência do usuário.

5. Aproveite o máximo de conteúdo

Para garantir que a empresa aproveite de forma segura todo o marketing de conteúdo produzido, é preciso garantir a implementação de 3 Rs significativos. 

O que são os 3R’s

O primeiro trata da reorganização.

Diz respeito a uma maneira eficiente de produzir novo conteúdo, assim como uma maneira inteligente de alcançar membros do público que gostam de consumir o material de diferentes maneiras. 

Enquanto algumas pessoas para quem o marketing de conteúdo se destina preferem e-books, outras gostam de visualizar infográficos. 

Há, ainda, aquelas que aprendem melhor por meio de apresentações de slides, ou querem acompanhar webinars sobre galpões de lona comercial. 

Assim, é possível produzir em diferentes formatos, e até integrá-los de alguma forma. Dividir e conquistar, seja qual a fonte de distribuição de conteúdo, permite que se alcance mais pessoas, e com menos esforço. 

O segundo R é de reescrever.

Sempre que um conteúdo apresenta alto desempenho, e de forma consistente, vale reservá-lo para uma atualização futura. 

Eventualmente, o número de engajamentos tende a decair, e esse é o sinal de que é chegada a hora de atualizar esse material de alguma forma, seja agregando um novo formato, melhorá-lo ou desenvolvendo um novo conteúdo sobre o tema.

Retirar é o terceiro R.

Que é referente ao aproveitamento necessário que compete à estratégia de marketing de conteúdo. 

Mesmo o melhor conteúdo não dura para sempre. Quando um material de conteúdo precisa de ajuda além de uma atualização de design, ou mesmo uma reformulação de texto, talvez seja chegada a hora de retirar e desativar. 

O conteúdo que passa da data de validade pode prejudicar a autoridade e a credibilidade de uma empresa, desfazendo efetivamente todo o trabalho que o conteúdo prestou até então. 

6. Inicie e otimize sempre

O conteúdo, quando inserido em cada estágio do funil de vendas, deve ser medido de forma diferente, afinal, cada ponto possui objetivos próprios. Assim, as métricas em estágio inicial não se vinculam diretamente à receita. 

O objetivo do conteúdo inicial é criar reconhecimento de marcar, promover a preferência junto aos clientes em potencial, além de educar e entreter a partir do envolvimento do público. 

Partilhar nas redes sociais, downloads de e-books e visualizações informam se o conteúdo sobre decapagem quimica para o setor industrial está atraindo a atenção, e se as pessoas estão a gostar do que estão a consumir. 

As métricas aplicadas nos estágios intermediário e final, como pipeline, oportunidades e alocação de despesa, fornecem informações sobre como o conteúdo afeta os negócios. 

Para ativos de estágio intermediário, convém medir como o conteúdo está a gerar novo interesse, e como isso reflete nos lucros. 

Métricas a ter em atenção

Ao definir os KPIs (Key Performance Indicator), isto é, os indicadores-chave de desempenho, para os esforços de marketing de conteúdo, é possível se concentrar no lado operacional. 

Ou seja, é saber porque se aplica estratégia de marketing de conteúdo, o que as pessoas compram, e como isso afeta uma campanha de publicidade, de forma geral. 

Por isso, vale destacar os KPIs que precisam de atenção e envolvimento das equipas de marketing.

1. Engagement

O tráfego é grande, mas a interação é melhor. E isso acontece quando as pessoas passam mais tempo num site, e quantas páginas são visualizadas numa visita. 

Essas são métricas que podem ser encontradas via ferramentas digitais disponíveis na internet, de forma gratuita. 

Outro elemento de interação é o que se está a promover nas redes sociais. 

Se uma publicação de uma empresa de ar condicionado está a ser compartilhada e comentada, e quanto mais isso acontecer, maior a probabilidade de gerar tráfego mais confiável.

2. SEO

Os rankings nos motores de pesquisa de forma orgânica são vitais para uma estratégia de marketing de conteúdo saudável. As palavras-chave implementadas a partir da prática de SEO (Search Engine Optimization) são importantes, pois é assim que o público procura por respostas. 

A empresa deve monitorizar, insistentemente, o desempenho das palavras-chave implementadas, incluindo a posição em que se encontra de acordo com a segmentação.

Também é necessário otimizar cada parte do conteúdo, incluindo metadados corretos, bem como a proporção de palavras-chave para o material disposto.

3. Autoridade

A autoridade é uma métrica que tem como objetivo definir uma DA (Domain Authority), ou domínio de autoridade, que é um número entre 1 e 100. Quanto maior a pontuação, maior a autoridade. 

A construção de autoridade melhora o SEO e as conversões e é medida pelo Google. 

A gigante de tecnologia analisa elementos como backlinks de sites com bom DA, bem como quanto o conteúdo é compartilhado, o que a empresa considera uma ilustração de qualidade de conteúdo e de quais temas atraem mais a audiência.

Conclusão

A verdade é que as empresas precisam planear o negócio a longo prazo, tendo em vista que, num futuro próximo, os textos na internet serão acompanhados por vídeos e imagens para se comunicar melhor com os utilizadores e potenciais clientes. 

Dessa forma, é preciso que todas empresas, desde representantes de camara fria para cerveja até lojas e magazines, estejam prontas para promover de forma ampla conteúdos divertidos, visualmente atraentes e que possam ser amplamente dimensionados e compartilhados. 

O futuro do marketing de conteúdo, como o cenário se apresenta, se mostra cada vez mais como uma interação humanizada, em que as marcas podem alcançar os clientes e permitir que estes iniciem o relacionamento com o negócio. Grande parte disso se dá por meio das redes sociais. 

Por fim, é preciso entender que as marcas devem investir numa estratégia de marketing de conteúdo que seja relevante, explicativa, educativa, mas também promova o entretenimento e uma reação de proximidade e engajamento significativo. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipa do blog Business Connection, onde pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Precisa de ajuda em Marketing Digital em Braga? Entre já em contacto e obtenha o seu orçamento gratuito.

2022-05-10T11:17:58+00:00

About the Author: